janeiro 18, 2017

Tudo o que amamos.

Tudo o que amamos.
Emy era uma senhora de seus sessenta e poucos anos e trabalhava naquele elevador fazia mais de trinta, fora sempre uma mulher guerreira e forte, porem muito cética com as coisas de sua vida, não era muito religiosa.
Naquele elevador já ouviu e contou histórias de todos os tipos, desde que chegara no prédio ainda moça, fora tratada muito bem por todos os moradores do Gran Hotel Residencial e fez diversas amizades, além de conhecer de cabo a rabo cada morador do prédio e em qual andar eles desciam.
Ela era conhecida por sua simpatia e alegria todos os dias, por não reclamar da vida nunca.
Mas hoje entrou um rapaz diferente no seu elevador, branco como neve, com cabelos dourados como ouro e que transmitia uma sensação de paz, usava um sobretudo por cima da roupa e tinha uma expressão séria no seu rosto.
– Bom dia, qual andar ? – Perguntou Emy ao homem que era estranho para ela.
– Vamos até o último dos andares, vim ao seu encontro. – Disse o anjo, com um sorriso no rosto e completou.
– Lá tem pessoas que te esperam.
Enquanto o anjo levava a alma de Emy aos céus, os vivos a encontram no elevador tombada.
Ataque cardíaco disseram, quantos sonhos o mundo já levou de Emy. E agora tirara sua vida, para muitos ela fora um rascunho de felicidade.
Mas a vida é assim e não passa de uma longa perda de tudo o que amamos.
#desafio #gentequeescreve #anjo #elevador
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Sobre Thiago D.

Minha maior arte é a forma que eu vejo o mundo e as coisas que acontecem ao meu redor, tenho uma empatia muito grande, entendo como as coisas estão acontecendo ou devem acontecer e isso ajuda na minha percepção para fazer sistemas, estruturar raciocínios lógicos e a construir textos, contos e afins. Busco colocar em palavras os mais diversos sentimentos e sensações, o que escrevo não é autobiográfico, eu chamo de usar a vida como matéria prima. Meu jeito de escrever é esse, e se me perguntarem isso é ficção? Ou não é ficção? – Está no papel(no caso, tá no blog), aconteceu ou não, é ficção.

Últimos Posts Por Thiago D.

CATEGORIA

Contos

Tags

, ,