A Disney e a Pixar fizeram e fazem parte da vida de várias gerações. Sempre com valiosas lições de vida que derretem o coração mais frio. No caso da Disney individualmente, sua leitura dos clássicos dos contos de fadas encantam e alimentam os sonhos de várias meninas: aquela donzela frágil que precisa de um príncipe encantado (príncipe esse um inútil, vamos combinar. O cara mal aparece no filme, não faz quase nada e fica com a donzela). Com o passar do tempo, a sociedade foi mudando, principalmente o papel da mulher que nela vive. Mas a estrutura das histórias de princesa se manteve. Nos anos 90 as coisas mudaram um pouco, tivemos Bela, Pocahontas e Mulan. Ainda que cada uma tenha o seu príncipe,  não são donzelas indefesas. As mudanças foram gradativas. Mas o que realmente me interessa são as princesas do século XXI.

Gostaria de destacar as quatro princesas de histórias originais da Disney Pixar: Merida, Anna, Elsa e Moana (o foco desta resenha). Essas novas princesas trazem uma nova visão do que é a mulher moderna, com toques de fantasias,  evidentemente. Merida é uma adolescente intempestiva que busca escrever a sua própria história e quer que sua mãe entenda isso. Com Anna e Elsa temos tanto a princesa clássica que busca o seu príncipe (Anna) e da princesa que possuem problemas de uma natureza mais íntima e particular (Elsa). Nas histórias delas o objetivo é um outro tipo de amor, filial, maternal e fraternal, além de possuírem uma personalidade mais forte. E eis que chega Moana.

Moana é uma princesa polinésia que sonha navegar pelos mares, ela sente o chamado do oceano. Porém seu pai, o chefe Tui, não quer que ela navegue para longe da ilha. Mas tudo muda quando se acabam os peixes, os cocos estragam e a avó de Moana fica gravemente doente. Em seu leito de morte, a avó fala para Moana seguir seu coração e navegar atrás da salvação de sua ilha. Então Moana segue atrás de Maui, semideus sabichão que pode solucionar os problemas da ilha. E assim se inicia uma grande aventura.

Não quero falar muito mais do enredo desse filme para não dar nenhum spoiler, mas achei o filme maravilhoso. Mais uma vez a Disney e a Pixar nos entregam uma história emocionante, com um enredo e músicas simplesmente belíssimos. Moana é uma princesa que representa muitos de nós que ficam divididos entre seguir o seu coração e obedecer os pais. Mas mostra também que é preciso compreender a razão que leva os nossos pais de nos proibir de algo. Maui é um semideus com uma história que lembra muito a lenda de Prometeu, titã benfeitor da humanidade. Adorei Maui ele é um grande sabichão com um coração de ouro, ainda que seja muito travesso. Mas devo admitir que o meu personagem favorito é o Hei Hei, um galo com sérios problemas de déficit de inteligência. Ele é um daqueles coadjuvantes que rouba a cena sempre que aparece.

Acredito que esse seja um filme para as princesas guerreiras de todo o mundo. Para todas aquelas (e aqueles) que buscam ir além das fronteiras em busca dos seus sonhos. E eu que sou uma delas parto agora em busca dos meus.

Até mais.

Anúncios