fevereiro 28, 2017

Justiça

A vida não é justa.

A justiça é uma invenção humana

Que nunca os humanos fizeram dar certo

Mas ainda assim eles a esperam

 

Justiça para os homens

Justiça para as mulheres

Justiça para os negros e as putas e os gays

Mas a vida nunca é justa

 

Falhando em sua tarefa,

O homem volta seus olhos aos céus

Justiça divina

Justiça cármica

Justiça astrológica

 

A criança morreu de câncer mas foi pro reino dos céus

O assassino nunca foi pego mas queimará  pra sempre no inferno

A mulher foi assassinada por que escolheu encarnar pra isso

Justiça

 

E enquanto os olhos dos homens estão nos céus,

O planeta continua na merda

Afundando, afundando, afundando enquanto espera

Espera, não por justiça

Espera pela nossa extinção

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Sobre davidconatus

Conatus: Substantivo. Latim para esforço; impulso, inclinação, tendência; cometimento. É um termo usado em filosofias de psicologia e metafísica para se referir a uma inclinação inata de uma coisa para continuar a existir e se aprimorar. Outros autores a chamaram de Vontade, Desejo, Pulsão, Elan Vital, a essência inconsciente que dirige suas ações para satisfazê-la quer você queira ou não. David Conatus, no entanto, não é um substantivo. É um verbo, uma ação, a ação de exorcizar em palavras minha visão da existência e do mundo, e de talvez conseguir um pouco de paz ao fazer isso. Já quanto a paz de vocês, leitores, isso eu não posso garantir. Prossigam por sua conta e risco.

CATEGORIA

Poemas

Tags

, , ,