Naquela sexta-feira, no jornal da noite o brasil veria um ato cruel, digamos que o pais estava saindo da ditadura e entrando para democracia e todos se chocariam com o que veriam nossos próximos cinco minutos, era tênue a linha da satisfação e horror que sentiriam após assistir aquele homem confessar as atrocidades cometidas por ele no território tupiniquim.

Ele era o monstro que explodiu uma escola infantil, em plena semana de aulas, o homem que comandava o BIRD, um manicômio de fachada, onde torturou e massacrou diversas pessoas durante a ditadura, junto com outros militares, a culpa não era somente dele, e que a algumas semanas atrás ele matou centenas de crianças, pais e professores, fora os feridos e os transtornos psicológicos que ocasionou nos sobreviventes e familiares.

Admitiu que foi um ato de vingança a esses traidores, que deixaram a culpa só para ele e por isso perdeu seu cargo militar. Discorreu sobre desonra, amor, corrupção e a vida.

Enquanto assistiam, famílias de todas regiões do pais se emocionavam, choravam e se assustavam quando o chicote de Holly acertava as costas do homem.

O céu parecia entender o que ocorria naquele noticiário, pois chorava e berrava de fúria com seus trovões por diversas partes do pais, e naquela noite a justiça foi feita, de maneira brutal e cruel, as famílias que perderam entes queridos naquela manhã  ou durante a ditadura, se confortaram, outras pessoas diriam que isso não era justiça e nem justificativa para tais atrocidades cometidas pelos carrascos daquele sujeito.

Mas uma coisa era certa naquele momento da transmissão de tv, Petros ex-coronel da exercito brasileiro, militar condecorado e desonrado, homem que cometeu um ato terrorista contra o próprio pais, não faria mais nada contra ninguém, pois naquele momento quando terminou a sua última frase o dedo de Holly puxou o gatilho.

E dali a transmissão se tornou somente estática, com um pais inteiro de olhos arregalados em frente das suas televisões.

Anúncios