março 28, 2017

O que a vida deixou

A sua mão abriu e fechou uma, duas, três e na quarta vez ele olhou para ela e viu que ainda estava tremendo.

Do seu ângulo de visão ele só conseguia enxergar sangue, um taco de baseball, um canivete e três pessoas mortas.

Uma delas era sua esposa.

O outro seu amante.

E o terceiro era ele mesmo, pois sua vida acabará de passar entre seus dedos. Cada tacada era uma sentença.
Cada facada uma pena.
Cada grito por socorro, suspiro e olhar se tornavam uma perfuração em sua a alma.
Isso os jornais não anunciariam, o mostro seria julgado e condenado.

O sujeito olhou novamente para os dois e uma lágrima escorreu do seu olho, pois era tudo que a vida tinha deixado para ele.

O desespero, o medo e tremor em sua mão ensanguentada.

Nesse dia um homem, se viu arrependido não de ter matado, mas sim de não ter negado a si o direito de ter apenas apagado ela de sua memória !

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Sobre Thiago D.

Minha maior arte é a forma que eu vejo o mundo e as coisas que acontecem ao meu redor, tenho uma empatia muito grande, entendo como as coisas estão acontecendo ou devem acontecer e isso ajuda na minha percepção para fazer sistemas, estruturar raciocínios lógicos e a construir textos, contos e afins. Busco colocar em palavras os mais diversos sentimentos e sensações, o que escrevo não é autobiográfico, eu chamo de usar a vida como matéria prima. Meu jeito de escrever é esse, e se me perguntarem isso é ficção? Ou não é ficção? – Está no papel(no caso, tá no blog), aconteceu ou não, é ficção.

CATEGORIA

Textos

Tags

, , ,