junho 10, 2017

Metamorfose

Meu beijo diurno tem um gosto amargo de câncer. O café com pão, o sol de alta radiação, o microondas de 4 programações, a carteira de cigarros. No caminho de ida e volta sempre há uma piada pronta. Uma vendedora de chicletes me disse um dia que a humanidade seria exterminada pela falta de atenção. Ela andou pelos carros, era uma velha que vestia jeans encardidos, ela  caminhava com uma pequena pressa batendo nos vidros dos carros. Em poucas palavras que trocamos ela me disse:

– A humanidade será exterminada pela falta de atenção – daí ela se foi com seus chicletes.

Um dia, o por do sol não será normal. Um cogumelo gigante crescera no centro da cidade destruindo casas, pessoas, prédios, carros. Pessoas desapareceram na posição que estavam e relógios contaram a história. Se um homem grandioso esbarrar no botão errado tudo está acabado. Estamos nas mãos de pessoas com mãos furadas.

O relógio corria.

O tempo acabava.

Gastava tinta de caneta no papel.

Meu beijo diurno tem um gosto de óleo de motor. No caminho de ida e volta para casa sempre há mortos e feridos, podemos sempre sermos os próximos. Imagino sempre que uma bala perdida entra pela minha janela e me acerta na cabeça, morto diante a TV, morto diante a novela, morto diante da cena em que o ator principal beija a mocinha.

O beijo dele tem gosto de câncer.

A chuva é real. Tão real quanto estar  vivo. Corri pela chuva como uma criança, corri semi nu na chuva, queria pegar a água e mostrar para todos que eu estava vivo! Não era um parasita medroso dentro da minha casa esperando ser atingido na cabeça por uma bala perdida. Eu não temerei aquilo que eu não acredito. A água gelada corre pelo meu corpo, estou caído em uma poça suja, aquela sujeira sou  eu. Olho para o negro céu, ele me diz coisas fantásticas, ele me diz quem sou e o que faço no mundo. Aquele céu negro sou eu. As coisas que vi e vivi, a vendedora de chicletes, o tiro pela janela, o gosto de câncer, o microondas. Uma vida condenada em poucas palavras. As palavras sou

– Um dia – dizia a vendedora de chicletes, nem todos dão atenção, alias, ninguém dá à atenção.  Um dia poderemos nem mais estar aqui e enfim fazemos as mesmas coisas de sempre. A rotina matou a poesia e como diria Nelson Rodrigues: “A TV matou a janela” – todos estes que não compram meus chicletes vão se arrepender.
Era a sua vingança.

Estou morto.

Morri e acordei no outro dia, meu beijo com gosto de microondas estala na testa de minha esposa. Ela não sorri, apenas dorme. Morri e entrei no meu carro, fui ao meu trabalho e trabalhei. Morri e voltei para casa, morri e escrevi uma carta para alguém, morri e assisti um reality show. Não é a vida real, nem a deles nem a minha.

Morri.

Com o corpo molhado as coisas passam mais depressa, a vida passa mais depressa. Essa minha comunhão com o chamado selvagem que ouvi do lado de fora da janela, e todas essas coisas que eu vivo sem querer viver. Onde estarei amanha? A chuva vai cair pelo meu corpo eternamente e eu serei sacrificado na rotina. Me transformarei e fugirei disto. Eu quebrarei os moveis, eu destruirei o microondas, eu jogarei meu carro no rio e terminarei meu casamento, serei demitido. Meu nome, o que sou, e onde estou? Tudo isso que existe não pertence a mim pois não sou tais coisas.

A vendedora de chicletes sorri para mim quando me vê livre, caminhando para a minha liberdade.

Anúncios

Participe da conversa! 1 comentário

  1. […] uma metamorfose de kafka, cada um ali descobriria no dia seguinte ao acordar que teria se transformado, mas […]

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Sobre Rhuan Rousseau

Tenho uma lista de filmes para assistir e um tanto quanto de livros para ler. O tempo é tão escasso nestes anos tão estranhos. Escrevo buscando entender este mundo, tal qual um escritor de um manual de instruções. Pretendo um dia ter uma casa com uma janela para um cemitério. Uma boa maneira de pensar na vida e no futuro indubitável de cada um. Agora buscando uma resposta para o futuro em antigas mitologias perdidas. Também querendo ganhar um dinheiro extra, sou um ser humano como todos os outros, e ter uma independência mesmo que pequena, comprar quadrinhos entre tantas outras coisas. Espero que gostem dos meus textos loucos e das minhas estranhas visões do mundo. Blog pessoal: http://omiopepsicopata.blogspot.com.br/ Twitter - @rhuanroussseau

CATEGORIA

Textos