Ele derruba lágrimas a cada puxão de gatilho.

Cai de joelhos no meio fio, parado observa ao seu redor e deseja do fundo de sua alma ter mais uma bala no pente, mas não tem.

E isso fez toda a diferença na história desse homem, que está prestes a continuar a maior besteira de sua vida;

Continuar vivo.

Dez anos depois.

presídio de segurança máxima Bangu I

– Pó sabe como o chefe veio parar aqui, marreta ? – Seco perguntou enquanto tragava seu malboro.

– Pegou a mulher com outro na própria casa acredita? – Falou entristecido, com a afirmação.

– Largou o dedo na filha da puta e no ricardão com tanto ódio, que quando apontou para própria cabeça não tinha mais balas.

– Ele estava construindo uma vida, e de repente ta ai a dez anos preso e agora é chefe da porra toda.

– O futuro é incerto para todos. – Disse marreta enquanto colocava a lamina de um prestobarba numa escova de dente e derretia o plastico para fixar a lamina.