Nós mudamos diariamente enquanto pessoas, sociedade e como indivíduos no ambiente familiar. A medida que a sociedade avança e as novas gerações surgem, o choque entre cultura, valores e filosofias são parte um detalhe essencial nessa dança chamada relacionamento.

A nova série da Netflix, Disjointed tem uma premissa simples baseada em relacionamentos. Ruth (Kathy Bates) é uma hippie de 70 anos que gerencia uma loja que comercializa maconha, ou como a personagem gosta de dizer, uma clínica que cura pessoas dos males modernos e proporcionar momentos de diversão. A loja é liderada por ela e seu filho Travis (Aaron Moten), um Jovem que retornou do mestrado a pouco tempo para auxiliar a mãe na gestão do negócio.

O clássico relacionamento entre mãe e filho e a necessidade de estabelecer confiança é uma das linhas narrativas trabalhadas, basicamente, temos uma mãe ausente durante a infância do filho em decorrência da militância constante para legalização da maconha. O arco abre espaço para uma série de situações cômicas e piadas bem estruturadas, entretanto, o roteiro peca nos momentos dramáticos, muitas vezes temos um conflito iniciado entre os personagens que é simplesmente abandonado, ou solucionado de forma simplória e piegas.

Durante os 10 episódios da primeira parte da temporada, temos personagens interessantes sendo desenvolvidos. Um exemplo é o segurança Carter (Tone Bell), um ex-militar que sofre de transtorno pós-traumático e nunca experimentou maconha. As nuances, memórias e muitas vezes sentimentos do personagem são introduzidos por uma série de animações surreais 2D. O recurso se mostra ao longo da série uma solução bem bolada e inteligente, o espectador é capaz de entender a complexidade do drama sem ser jogado em diálogos longos e expositivos.

maxresdefault

(Foto reprodução)

O elenco apresenta uma ótima sintonia e vivacidade ao dar camadas aos personagens. O destaque vai para Kathy Bates, que encarna muito bem Ruth e oferece uma interpretação diferente dos personagens de seus trabalhos anteriores em American Horror Story.

maxresdefault-5

(Foto reprodução)

A série oferece alguns recursos narrativos interessantes, como a inserção de vídeos do Youtube produzidos pelos funcionários da loja com a maconha do dia ou comerciais de produtos relacionados ao tema da trama, a estratégia funciona muito bem na maioria dos casos, com poucas exceções nos episódios onde são apresentados mais de uma situação ou interação com essas mídias.

Disjointed é uma série engraçada, com soluções narrativas previsíveis, mas que no geral funciona muito bem, fazendo dela uma boa opção de comédia para o fim de noite e para assistir com os amigos.

⭐⭐⭐

 

 

 

 

Anúncios