Primeiro passo para ser um escritor, você precisa ser um grande filho da puta.
Depois precisa ser alcoólatra (necessário um vício que vá te matar)
E por fim, saber mentir.

A mentira é o passo mais fácil, até mesmo os autobiográficos aumentam os acontecimentos. Inventam mulheres que não existiram e suas transas foram bem menos interessantes do que eles dizem que são. Provável que tenham broxado grande parte destas transas, ou então, as mulheres nem eram tão belas assim. Você precisa mentir como um puto, para si, para os outros, para quem você ama. É assim que um escritor faz, cria mentiras, das quais ele acaba acreditando e transformando-as em suas verdades universais, quase como um dogma, doentio quanto os dogmas religiosos, tão hipócritas quantos… A mentira do escritor faz parte do jeito que ele precisa ser, você precisa fingir que bebe demais, que come mulheres demais. Se você estiver lendo isto nos meados dos anos sessenta e setenta, ainda pode ser preconceituoso e misógino sem nenhum problema. No mais, se for em tempos atuais, cuidado com as piadas…

Mas se quiser forçar a barra, será o filho da puta, mas entraremos isso em breve. Primeiro tenho que falar do alcoolismo.

Seja alcoólatra. Beba e morra disto. Nenhum escritor de respeito morreu porque escorregou e caiu (talvez um ou outro sim, mas entenda a ironia) você precisa morrer de algo relacionado a bebida, ou a doenças que as bebidas trouxeram, ou, além mais, ser atropelado por uma carroça por estar bêbado (no caso de faltar a carroça, o carro serve). Dê mal exemplo, chegue bêbado, saia bêbado, perca sua família por ter bebido demais. Beba perfumes dos catálogos AVON e Jequiti. Enebrie-se. Dai estará praticamente pronto para escrever.

Mas nunca se esqueça de ser um filho da puta, este é o conselho mais importante. O filha da putismo vem com sua misoginia, com as piadas sujas, o humor negro, os preconceitos escondidos, as mulheres que você abandonou, as mulheres que você traiu, as mentiras contadas, o álcool bebido de maneira excessiva, e a depressão que você diz ter mas não passa de frescura (não era frescura no caso do Hemingway)

Se for explodir os miolos, este texto não te ajudou.

Se for um filha da puta antes deste texto, não é culpa minha

Se começar a beber por ter lido este texto, me chame.

Se for mentir, que não seja sobre nossa ultima transa.

No mais, foda-se a gramática. Vivemos num mundo que ninguém sabe ler.

Anúncios