Três meses e eu não tomo mais meus remédios. Minhas mãos voltaram a tremer e minha vontade de morrer nunca esteve tão em alta. Estou contando em uma folhinha o tempo que eu não tomo mais meus remédios. Agora minhas mãos tremem, e pareço um idiota tentando escrever com um lápis.

Quem usa lápis hoje em dia?

Agora eu olho no meu espelho do banheiro. Tem outro cara lá, um cara que me olha de volta, eu sorrio e ele permanece sério, ele tem a mesma cara de babaca que eu tenho, ele tem o mesmo olhar idiota que eu tenho. Droga, maldita hora que parei de tomar meus remédios. Ele também parece gostar dos mesmos remédios que eu gosto, gosta da mesma música, das mesmas histórias, de escrever as mesmas bobagens, de comentar sobre os mesmos filmes. Seria a hora de iniciar um teste em um relacionamento homossexual? Mas se for eu mesmo em um espelho eu seria considerado Narcisista?

Eu seria o Narciso, afogado na pia do banheiro.

Eu seria Narciso, morto enforcado no chuveiro.

O pobre Van Gogh, sem orelha, sem medo, sem pudor.

Eu acordo do sonho estranho.

Estou tremendo, estou suando, estou assutado. A cabeça de um unicórnio Rosa aparece na minha janela. Ele sorri mostrando os seus dentes brancos. Seu chifre parece pontudo, ele parece ameaçador, apesar de ser uma visão absurda. Ele pisca para mim e tenta falar, eu não entendo o que ele diz, não entendo e talvez não tentasse entender.

Da mesma forma que eu ignoro as pessoas que conversam comigo em filas.

Da mesma forma que eu ignoro as dores que sinto ao dormir.

Da mesma forma que eu ignoro meus pensamentos obscuros e meus versos tortos escritos por toda a parede do meu quarto com caneta piloto. Faço isso quando bebo, faço isso quando eu desisto. Faço isso quando chego ao fundo do poço.

O bicho tenta falar comigo, ele sorri novamente e mexe a boca. Eu tento prestar a atenção, mas aqueles dentes muito brancos irritam minha vista, me deixam nauseado, tenho vontade de vomitar. Ele tenta me dizer, tenta me aconselhar a evitar tomar meus remédios com bebida.

Eu olho para a mesinha de cabeceira e vejo que tomei alguns comprimidos com uísque.

O unicórnio rosa sorri novamente e vai embora, seu conselho fica comigo para todo o sempre.

Anúncios

Participe da conversa! 2 comentários

  1. tá vendo… titia Lucy, salvou a sua vida… Reverencie-me!… kkkkk

    Curtido por 1 pessoa

    Responder

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Sobre Rhuan Rousseau

Tenho uma lista de filmes para assistir e um tanto quanto de livros para ler. O tempo é tão escasso nestes anos tão estranhos. Escrevo buscando entender este mundo, tal qual um escritor de um manual de instruções. Pretendo um dia ter uma casa com uma janela para um cemitério. Uma boa maneira de pensar na vida e no futuro indubitável de cada um. Agora buscando uma resposta para o futuro em antigas mitologias perdidas. Também querendo ganhar um dinheiro extra, sou um ser humano como todos os outros, e ter uma independência mesmo que pequena, comprar quadrinhos entre tantas outras coisas. Espero que gostem dos meus textos loucos e das minhas estranhas visões do mundo. Blog pessoal: http://omiopepsicopata.blogspot.com.br/ Twitter - @rhuanroussseau

CATEGORIA

Textos