Antiácido.

Puta merda foi o que ela disse.
Ela pegou algum cigarro do chão, ele estava meio molhado mas mesmo assim
ela conseguiu acender.

Puta merda, ela disse de novo.

Meio-dia de um domingo. O cheiro de peixe frito no ar misturado com vômito e limão. Meu pequeno quarto tinha se transformado num forno. Eu era uma pequena e gorda poça de suor entre os lençóis da minha cama. Ela sentada na beirada de minha cama. Estava nua, suas costas branquelas com pequenas gotículas de suor. Ela fuma, vejo a fumaça entrar dentro dos seus pulmões e destruir o resto de vida que ainda lhe faltava.

Perguntei se ela já ia embora.

Ela ia me deixar sozinho pelo resto do domingo.

Lá fora famílias inteiras saindo para ir à praia. Lá fora uma alegria congênita com crianças sorrindo, mães de família gordas carregando cestos cheios de comida, pais de família trabalhando em seus celulares, resolvendo problemas do escritório, sentados em grandes cadeiras de praia e bebendo cerveja que parecem mijo de gato.

Ela ia me deixar sozinho neste mundo desagradável. Todos lá fora e eu aqui, trepando como uma morsa, suando como um porco. Ela fuma cigarros que nem Deus sabe por onde andou e eu terei que fazer exame de sangue mais uma vez.

Eu a vejo da minha cama, ela está cagando no meu banheiro. Sentada na minha privada fumando o bendito cigarro. Ver uma mulher cagar talvez seja o último passo de relação que se pode ter. O máximo de intimidade. Escuto a descarga, ela veste a calcinha e diz que precisa ir. Diz que precisa de dinheiro trocado para o ônibus.

“em cima da mesa” digo com os olhos fechados.

Escuto o barulho da porta fechar. Levanto-me. Preparo meus antiácidos. Ela pegou dinheiro para mais de uma passagem, mas não me importo.

Uma família passa em um carro, todos sorridentes. Dentro de mim algo detesta isto.

Ligo a televisão, quero ver o noticiário, apenas alguma grande tragédia para melhorar meu dia.

O antiácido não funciona.

Ela tinha me dito que eu andava amargo demais.

 

Anúncios

Autor: Rhuan Rousseau

Tenho uma lista de filmes para assistir e um tanto quanto de livros para ler. O tempo é tão escasso nestes anos tão estranhos. Escrevo buscando entender este mundo, tal qual um escritor de um manual de instruções. Pretendo um dia ter uma casa com uma janela para um cemitério. Uma boa maneira de pensar na vida e no futuro indubitável de cada um. Agora buscando uma resposta para o futuro em antigas mitologias perdidas. Também querendo ganhar um dinheiro extra, sou um ser humano como todos os outros, e ter uma independência mesmo que pequena, comprar quadrinhos entre tantas outras coisas. Espero que gostem dos meus textos loucos e das minhas estranhas visões do mundo. Blog pessoal: http://omiopepsicopata.blogspot.com.br/ Twitter - @rhuanroussseau

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s