Livros Resenhando

Memórias póstumas de Brás Cubas

Pelo o tanto que já ouvi de comentários sobre ele, Machado de Assis é tão genial quanto deveria ser e, nesse livro consegui ver o porque de tanta repercussão sobre o escritor.

O livro já começa com uma pancada na boca do estômago:

Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas memórias póstumas.

Nesse momento já percebi a grande sacada do Machado, quem escreve o livro é o Brás Cubas. Isso meus caros, já deu nó na cabeça e empolgação suficiente para saber à história do defunto.

Bom, são 268 paginas, com as ultimas dedicadas a notas; com explicações sobre termos usados no livro e referências a acontecimentos históricos e assim por diante.

Eu particularmente amei esse livro, mas sei que não é de uma leitura fácil ou de gosto fácil para qualquer um, então por isso não recomendo à todos, principalmente quem esteja iniciado no mundo da leitura: Não leia.

Sim não leia se você for iniciante em leitura, você provavelmente ira odiar a forma que é escrito e narrado o livro, mas se você lê a bastante tempo, se dê esse presente e leia; você iria se deliciar nessas páginas, assim que pegar o ritmo de Brás Cubas.

Esse foi o 9° e último livro do mês de janeiro que li e então deixo aqui essas três colocações sobre o livro, para recordações futuras.

1° Obrigado Brás Cubas por ter contado sua vida nessas poucas páginas.

2° Obrigado ao genial Machado de Assis por ter emprestado suas mãos e, imaginação ao personagem.

3° E por fim um dos trechos que com certeza absoluta, me marcou e vai me marca para sempre:

[…] Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e, conseguintemente, que saí quite com a vida.

E imaginará mal; porque ao chegar a este outro mistério, achei-me com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas:

– Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.

Anúncios

Sobre Thiago D.

Minha maior arte é a forma que eu vejo o mundo e as coisas que acontecem ao meu redor, tenho uma empatia muito grande, entendo como as coisas estão acontecendo ou devem acontecer e isso ajuda na minha percepção para fazer sistemas, estruturar raciocínios lógicos e a construir textos, contos e afins. Busco colocar em palavras os mais diversos sentimentos e sensações, o que escrevo não é autobiográfico, eu chamo de usar a vida como matéria prima. Meu jeito de escrever é esse, e se me perguntarem isso é ficção? Ou não é ficção? – Está no papel(no caso, tá no blog), aconteceu ou não, é ficção.

10 comentários em “Memórias póstumas de Brás Cubas

  1. Olá, tudo bem?

    Li esse livro ainda na adolescência (me sentindo idosa com 21 anos) para um trabalho escolar e confesso que de antemão pensei o que todo adolescente pensa “ih, vai ser maçante”, mas percebi que não tinha nada a ver. Eu entrei na história desse livro por completo e gostei muito de tudo que li, acho que fui fisgada para a obra. Pretendo reler esse ano, pois acho que meu compreendimento aumentará e será mais satisfatório.

    Beijos!

    Curtido por 1 pessoa

  2. – Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.
    Essa citação é muito clássica de Bras Cubas. Li quando tinha 14 anos e confesso que foi uma leitura muito agradável e apaixonante!

    Curtido por 1 pessoa

  3. Li esse livro já faz um tempo, ele é algo que eu acho lindo. Ele é ótimo, um dos meus livros favoritos!! Grande obra da literatura.

    Curtir

  4. lucacreido

    Muito bom. Bras Cubas é simplesmente fantástico, não pela história, mas sobretudo pela forma de contá-la. Afinal, podemos confiar em um escritor em primeira pessoa? E se ele for um defunto? Não há como ler o livro sem chegar a sua 2a conclusão: obrigado Machado de Assis!

    Curtir

  5. Machado de Assis é um primor. Amo as suas narrativas, já leu Dom Casmurro? Leia porque também é genial. Realmente a leitura é diferente e algumas pessoas podem não gostar, li na minha adolescencia, cerca de 14 anos e amei, mas já comecei lendo clássicos e acredito que por isso não tenha sido uma leitura tão difícil.

    Curtir

  6. Oi Thiago, hum muito bom ver ainda tem gente que gosta de ler livros clássicos da nossa literatura brasileira. Ainda não li nada do Machado. Gostei de ver sua opinião sobre a obra. Parabéns.

    Um forte abraço.

    Curtir

  7. Heey!
    Cara, eu fico de cara no chão com o Machado. Quando eu li esse livro fiquei simplesmente estupefato com toda a sua genialidade. Muitas pessoas nao começam a ler pq vao achar chato ou qualquer coisa do tipo e eu ate entendo pq eu ja fui uma dessas pessoas ate experimentar. Grande auto!
    Abraços. 🙂

    Curtir

  8. Segredos da Juh Costa

    Eu recebi um exemplar desse a alguns anos atrás mas nunca tive curiosidade de ler.
    Depois da sua resenha irei abrir a mente pra dar uma lida.
    Beijinhos e Sucesso.

    http://www.segredosdajuhcosta.com

    Curtir

  9. Pingback: Memórias póstumas de Brás Cubas — De Saco Cheio e Mau Humor – LITERATURA & TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: