Poemas Textos

A última que morre

Por mais que os tempos pareçam sombrios

Talvez seja hora de alimentar aquela brasinha

Aquela esperança quase inexistente

Que habita até o mais descrente

Sim, é um fato

Nada é tão ruim que não possa piorar

Mas o oposto também é real

As coisas podem melhorar

E às vezes de uma hora para outra

O acaso existe

Mas isso não quer dizer que não podemos

Dar aquele pequeno empurrãozinho

Talvez não adiante nada

Como saber?

Mas se não fizermos nada

Também nada vai acontecer

Fato

Anúncios

Sou atriz e professora de inglês paulistana, nascida em 1991 no Dia de Reis. Sempre adorei escrever e imaginar coisas. Amava fazer redações na escola. Com o tempo, o amadurecimento e essa complicada vida de gente adulta, fui deixando de escrever. Me limitei a posts de Facebook e tweets. Porém as histórias se acumulavam na minha cabeça. O blog foi uma forma de exteriorizar todos esses pensamentos e reflexões, sejam eles bons ou ruins. Gosto de escrever sobre como eu lido com a vida e o quanto ela é complicada. Espero que os meus textos e poemas ajudem pessoas que passam pelos mesmos problemas que eu. Blog pessoal: https://somaiscincominutinhosblog.wordpress.com/

0 comentário em “A última que morre

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: