Poemas

O equilíbrio é um idoso.

O novo
sempre é pouco,
por isso tanta
reinvenção?

Um querer mais
que nunca satisfaz,
prefiro as coisas
antigas
as reciclagens
e as infinitamente
arcaícas
como roupa
confortável e velha,
como sol amarelo
na janela.

Afinal
o clássico
só se parece
clássico
quando envelhecer,
ganha a lembrança
do tempo
e a marca da brisa
do vento.

Tantas
mudanças
breves podem ser
massantes,
na próxima
esquina a tecnologia
já reprogramou
a integração da vida.

O velho
me parece
aconchegante
mesmo com
ruga e poeira
é cativante,
feito a lentidão
de um efelante.

O novo
até é bem vindo,
mas o velho
é a história
que permite que tudo
seja amadurecido,
até o próprio destino.

Entre
novidade
e antiguidade,
o equilíbrio
é um idoso
sorrindo pois
descobriu que
pouco luxo
na verdade
é muita
riqueza!

Anúncios

1993, primavera, onda do mar, colorir desenhos, sentir o vento, borboletas e tartarugas, corpo, esperança, poesia-dislexia-ironia, morango, minimalista, deusas e deuses, verde, liberdade, orquídea, reflexão, arte, contradição, movimento, conexão, sensível, bruta, sol e lua, incenso de arruda, escrever e a palavra favorita é transcender. [insta: @baunilhapoetica]

0 comentário em “O equilíbrio é um idoso.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: