– Dedicado para aqueles que tem certeza que existe algo de errado – R.R.

As escadarias compridas, cheiro de sabão, figuras simples de uma insólita linguagem pura, métrica e esquádrica de um destino incomum. Eram sons distintos, eram sons estranhos, grunhidos. O noticiário com suas notícias, as poesias declamadas diariamente. Se havia um sentido naquilo tudo, não seria aquele. Se havia uma música orquestral que trouxesse lembranças fantasiosas possivelmente não seria naquele dia. Os duros portões enferrujados teimavam em gemer ao abrir, os sujos portões da percepção. Logo mais: um crime, um homicídio, uma briga sonolenta de palavras breves e sem sentido. Agora com ruídos mais simplistas crianças jogam bola na rua, crianças chutam, crianças gritam, crianças fazem birra! Mas ainda não vejo sentido em tudo isso, como se o mundo fosse algo inesperado e cada instante fosse um último instante de alegria. Eu ri mas não sei se os risos duraram.

Quando lembro da distância da minha infância, parece que tais memórias não são realmente minhas. Cada palavra dita não fora dita por mim e por isso injustiças foram cometidas. As injustiças cavalgam rapidamente e sem uma noção prévia dos que são todas as coisas. Corrompo-me com as coisas mundanas cada vez mais, e morro rapidamente com tais causas e efeitos.

O mundo parece que se esconde em sua confusão (ou seria eu o confuso do mundo?) nesta prisão intelectual tudo que está la fora parece feito de papel. Lá fora chove.          O destino nos atrai para um buraco infalível, como se a morte caminhasse em passos largos sem mesmo dizer o porquê. Não tenho medo, sou como um urso desdentado e cego. As crianças pararam de brincar, o barulho da rua cessa. O mundo está em silêncio.

O mundo faz uma prévia de como ele será todas as manhas. Têm dias em que ele gira tão rapidamente que nos torna frágil e incapaz de sentirmos como ele é. Os tênues gritos de guerra que todos fazem do lado de fora de suas casas pedindo o pão de cada dia e o caminho de ida e volta para casa como uma via crúcis os transformam em mártires. O dia corre em frente e verso, estamos sob o domínio de suas rédeas e se o destino quiser nos destruir ele nos destruirá. Cairá a tempestade do fim do dia e estarei em seu meio, também no caminho de volta, como o filho pródigo que tornara a residência porém, para a sua solidão.

 Com o coração vazio o portão range, a chave gira, a geladeira ilumina, a água desce, e o sono vem. Com o coração vazio deita-se na cama e espera a morte chegar mais uma vez, e mais mais uma vez, e mais uma vez. E os livros se espalham pelo chão, sem sentido.  Acordarei com o cheiro de sabão e com o barulho das crianças brincando e o portão enferrujado me saudará igualmente a minha vizinha e o mundo sorrira seu sorriso de mundo. Andarei por suas calçadas perdido e farei meu trabalho como o faço todos os dias. Ouvirei os passos e ouvirei as vozes do incompreensivo pensamento oblíquo de minha alma, ouvirei os traços metafísicos do não eu e cairei nas margens imperfeitas deste mundo.

Anúncios