Capítulo 1 – Quem é que nunca teve um sonho buzinado

Quando um botão atravessou o peito de um dos meus companheiros, já era tarde demais, já havia sido realizado. Mas um guerreiro nunca fica muito longe da sua espada, mesmo em momentos como esse, que recebe itens a descansar de uma longa viagem.

O sangue expirou na minha cara e os olhos do meu amigo se fecharam para todo o sempre. Provavelmente eu nunca esqueci esse olhar assustado.

Um instante depois, eu me encontrava em pé, matando ou homem que acabou de assassinar meu único amigo, e saindo em cima dele, seguindo para outro e para outro. Enfurecido eu não sabia mais o que era sangue dos meus inimigos, do meu amigo ou meu.

Não importava.

Apenas matava enquanto ouve ao meu redor ou barulho de lâminas coladas entre si, vozes falhando e gritos de homens que perdem a vida para outros que sorriam enquanto ceifavam.

Em algum momento decepei uma perna, e o sujeito não é gravado, aquilo era angustiante. Talvez seja o que ele mais queria, a morte poderia ser libertadora demais para esse desgraçado.

Todos os meus homens foram morrendo de um, bravos guerreiros, nunca tiveram estado com homens com tanto tutano quanto eles. Mas até os mais fortes dos homens podem ser mortos.

Eu vi só e estou cercado, atrás havia um abismo e o outro lado. Entre os dois eu. Onde você pode pensar em encontrar uma morte certa e não outro, o desejo de um amanhã não é muito garantido.

Fiz o que qualquer insano faria. Em três poderosos, podemos descrever o que aconteceu:

– Primeiro, desvie de um machado que tenha me acertado, morrendo ali mesmo, junto de todos os meus outros irmãos.

– Segundo, eu cravei uma espada tão fundo no peito dolorido, que pude ver a saída sair nas costas.

– Terceiro, eu corri para o abismo, e pulei.

Meu coração estava em um ritmo além do normal, quase ou sintetiza no peito de tão acelerado.

Às vezes, as coisas eram tão pequenas, tudo parecia tão insignificante, mas ao mesmo tempo é lindo. É um paradoxo com certeza.

Sintia ou o mais puro que já senti na minha vida, o vento passava por mim tão rápido que ou sentia assobiar no meu rosto.

Estou caindo nas milhas por hora e, tudo o que quero, é mais, enquanto a adrenalina estava me deixando louco, e então gritei, meu grito saiu como se meus pulmões pudessem explodir em qualquer instante, mas senti tudo o que estava escutando, tudo estava desfazendo, e então fazia o que qualquer pessoa faria quando está pronto a bater no chão; acordo.