Como quem dá um sorriso querendo esconder algo, em suas alvas mãos, a longneck esvaziava. O jorro dourado dentro do copo, e o frio da cerveja em contraste com seus rubros lábios. A marca do batom na borda do copo, eram três copos, todos com marcas semelhantes. Nos últimos minutos do ano as amigas riam e conversavam sobre seus namorados e maridos. Dentre tantas risadas, naquele ambiente envolvente transformava-se em visível como o álcool, os cigarros deixavam as risadas mais gostosas. Todos ali estavam entre seus vinte cinco e seus trinta, como uma convenção das não adolescentes que esperavam o fim de uma década.

Elas tinham quinze ou vinte anos, nem pensavam que em dez anos estariam onde estariam. Com seus drinks, seus cigarros e seus homens. Eles conversavam sobre outras coisas, talvez negócios, em um outro ponto daquela festa. Dentre as luzes dos celulares e as pausas para mostrar um ou outro meme, tal nova geração molda-se entre os amores líquidos, as transas rápidas, os carros importados e a tênue luz rosa flamingo que mesclava-se nas bebidas caras ou não.

Voltando ao grupo de amigas: As mãos alvas seguravam o copo que, tornava-se quente na medida do passar do tempo, uma das outras duas bebericava uma caipirinha com adoçante, numa vã preocupação patética por sua saúde. Elas bebiam, conversavam e riam, com os minutos finais da década se aproximando, e os sorrisos ficando cada vez mai saltos. Mais próximo à meia-noite, os espumantes estouravam, porque alguns contavam errado, e outros tinham seus relógios atrasados. Com o estourar dos fogos e os segundos para a passagem da década, em apenas um lugar os gemidos eram abafados pelo estalar dos explosivos.

Ainda com o gosto do limão e da cachaça (com adoçante) aquelas línguas brigavam. As mãos alvas que deslizavam vagina a dentro da boca de caipirinha trazia a experiência de muitas mulheres que foram “lesbicadas” por ela, como gabava-se para as amigas. Sim,ela sabia quais botões apertar,  sim ela sabia aonde deveria ir. Talvez ganhasse muito dinheiro se publicasse um livro com tais técnicas, mas ela não tinha uma alma empreendedora assim. Tentara um brechó e fora um fiasco.

Voltariam a festa depois, comportadas, silenciosas. Sentariam à mesma mesa, bebericariam mais uma caipirinha e uma cerveja e tornariam a conversar com a amiga, que nem reparara ao certo como foi demorada esta ida ao banheiro. Como quem dá um sorriso querendo esconder algo, ela bebe, no gargalo, da longneck, ainda sentindo o gosto da boceta da amiga nos lábios.