Best-Seller de Sangue – Capítulo 01

-Por que simplesmente não me mata agora da maneira mais dolorosa e repulsiva que consegue imaginar? – Ela vocifera -Você sabe a resposta querida. Te matar agora seria fácil e simples demais, quero que você sofra, que suas lágrimas se transformem em rios e no fim você se afogue nele.  Sou um poeta e até... Continue lendo →

Anúncios

Dedo no gatilho

Se a vida fosse um jogo de Blackjack: você tira duas cartas e somam 18 pontos. Você para, ou desce mais uma ? Capítulo 1 – Como deveria ser. A chuva bate no vidro dianteiro, fazendo barulho. Ela escuta sirenes cada vez mais próximas, a fumaça do seu cigarro sobe aos céus em pequenas baforadas. O... Continue lendo →

Nunca tem fim

Cedo ou tarde descobrimos, que o futuro nunca foi tão incerto. Capítulo 1 – Bater a massa. Um, dois, três e na quarta vez que foi acertado, já sentia o gosto do sangue na boca, mas o agressor não parou e continuo no ritmo frenético de socos e cotoveladas no rosto. Petros tentava se defender como... Continue lendo →

A escolhida

Assim que nasceu, a menina foi levada pelos velhos da aldeia. E como todas as outras que já tinham nascido antes dela, foi cuidadosamente examinada. Nua sobre a mesa, a começar pelos pequenos pés, ainda enrugados pelo líquido amniótico, até a cabeço, de onde foram raspados os poucos fios para que não ficasse nenhuma parte... Continue lendo →

Impostora

* Impostora é o primeiro conto do livro "Contos de Quase Fadas" O sol surgia cálido por entre as árvores após uma noite de chuva forte e barulhenta. Pequenos animais saiam de seus esconderijos e pássaros cantavam dando boas vindas ao dia que nascia. Ela percebeu que deveria continuar. Levantou-se, torcendo as roupas e os... Continue lendo →

A lenda de Alanis – Capítulo 01

  Prólogo Quebrem meu crânio com a pedra mais pesada e aguda que essa amarga e amaldiçoada terra tem. Deixem que meu sangue antes vivo escorra pelas rachaduras do árido chão. Destrocem, destruam e queimem meu corpo e minha tortuosa e amaldiçoada existência, mas no fim, libertem ao menos o meu espírito, ele merece paz.... Continue lendo →

O nascimento do chefe Teçá

Teçá fazia jus ao nome que o chefe da tribo, seu pai, lhe dera no dia de seu nascimento. Seus olhos corriam pela mata e, mesmo no escuro, conseguia distinguir pequenos animais escondidos entre as árvores. Atrás dele a comitiva formada por jovens e fortes guerreiros e alguns mais experientes se espremiam entre um tronco... Continue lendo →

Deus de Sangue

O tempo passa, as horas correm. O ponteiro é o Deus que governa a ilusão que chamamos de vida. O barulho do relógio é o prelúdio que define o início e o término de uma vida. Somos simples animais presos no zoológico governado pelo senhor do tempo. Na pele sentimos as marcas de uma vida,... Continue lendo →

Definitivo Adeus

A madrugada estava fresca e as ruas desertas. Os cheiros chegavam de toda parte e sendo-lhe o olfato seu melhor sentido, sorvia-os generosamente. Caminhava solitário. Ia reparando que muita coisa havia mudado na pequena cidade de sua infância e adolescência. Muitos anos haviam se passado. Talvez anos demais. Teria sido certo voltar? Teria errado em... Continue lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: