O que cada um sente é mistério

O que cada ser humano sente é mistério, nunca saberemos ao certo o que se passa no coração de outra pessoa, não sabemos ao certo nem o que se passa com nós mesmos. Somos seres individualistas, eternos ímpares que apenas vivem coletivamente, cada um de nós somos nossas próprias digitais, únicos, inconfundíveis. Só a gente... Continue lendo →

Anúncios

#1

Os primeiros passos que você deu A primeira palavra que falou A primeira vez que andou de bicicleta A primeira vez que leu Aquele primeiro dez que você tirou A primeira paquera E o primeiro bailinho O primeiro emprego A primeira xerox E assim suscetivamente Até o fim da sua vida Várias primeiras vezes Momentos... Continue lendo →

De dentro para fora.

Te dou um olá. Estou dentro da garrafa. Sou seu vício, seu débil. Sou você no futuro. Gordo, pobre, velho e solitário. Vomitando sangue no banheiro. Doente, terminal, com os minutos contados. Relembrando do passado como se fosse ontem. Relembrando do que fez e chorando de arrependimento. Relembrando da última dose, do trabalho na última... Continue lendo →

Eu

Eu sou a calmaria Eu sou a tempestade Eu sou aquela que grita E aquela que sussurra Eu sou uma Eu sou várias Dou gargalhadas Choro em silêncio Tenho esperança no mundo Quero que tudo se exploda Sou minha própria dicotomia Sou os meus próprios opostos Eu atraio a mim mesmo E tomo distância de... Continue lendo →

A mulher do domingo.

Estou ficando velho. O espelho me diz isso ao amanhecer, ele me encara com meus olhos enrugados, com minhas olheiras, com minha boca seca, meus cabelos de palha, ele me encara com minha pança enorme e meus dentes amarelados, ele me encara, ele me diz que estou ficando cada vez mais velho. Não sou mais... Continue lendo →

Curriculum

Menina que de menina não tem nada... a não ser o sorriso e a inocência. Busca melhorar a cada dia, mas não abre mão de pequenos defeitos. Um pouco perfeccionista, para alguns assuntos, matreira. Sabe fazer massagens e não se roga a fazer uma bela torta japonesa.   O passado é meio arranhado: Regado a bebidas,... Continue lendo →

Briga.

- Seu merda! - A cadeira fez uma parábola no ar, uma parábola perfeita e espatifou-se tal qual as cadeiras do seriado Chapolin Colorado. Uma parábola certinha e o barulho da explosão do plástico velho no chão duro de cimento. A mesa girou no ar, as bebidas caíram. Martini, bebida de puta como meu pai... Continue lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: